Receita | Risoto de Funghi

bela-ep4-risoto

Ingredientes

  • 50g funghi seco preto
  • 1 xícara de arroz integral cateto
  • 3 dentes de alho picados
  • 1/2 cebola picada
  • 2 colheres (sobremesa) de ghee ou azeite
  • 1 colher (sopa) de alecrim
  • 2 colheres de cebolinha picada
  • 2 colheres de sopa de biomassa de banana verde (2 bananas verdes)
  • 1/4 de xícara de vinho branco
  • Água do molho do funghi
  • Água
  • Sal marinho
  • pimenta-do-reino

Modo de preparo

  1. Deixe o funghi de molho por seis horas, trocando a água até três vezes.
  2. Refogue o alho com uma colher de ghee até dourar, acrescente o arroz e duas xícaras de agua.
  3. Deixe ferver, adicione o sal, abaixe o fogo e tampe.
  4. Deixe cozinhar por 28 minutos.
  5. Em outra panela, refogue a cebola com o resto do ghee e deixe dourar.
  6. Acrescente o funghi, o alecrim e o vinho e deixe cozinhar por três a cinco minutos, adicione o sal e pimenta-do-reino.
  7. No liquidificador bata a biomassa com uma xícara da água do funghi que ficou de molho.
  8. Quando o arroz estiver pronto, misture-o com o funghi e em fogo baixo, acrescente a mistura da biomassa ao risoto.
  9. Misture bem e deixe cozinhar até formar uma consistência de risoto.
  10. Para servir misture a cebolinha e acerte o ponto do sal e pimenta-do-reino.

Receita de Salmão Crocante

Hora do almoço chegando e bate aquele desespero de não saber o que fazer? Calma minha amiga que eu te conto uma receitinha fácil de preparar, super saborosa e que ainda faz bem à saúde! Estou viciada nas receitas da Lucila Diniz, são super criativas e deliciosas. Esse Salmão Crocante me conquistou, além de ser meu peixe favorito. Fiz uma substituição na receita por causa do glúten, mas quem não se importar pode fazer ela do jeitinho que está aí, ok?

receita-de-salmao-crocante-

Papel e caneta na mão para anotar e bom apetite! Ah e se fizer a receita, não se esqueça de fotografar e postar nas suas redes sociais com a hastag #dicadacarola e #projetosemmedodobiquini !

Salmão Crocante – Lucila Diniz

Ingredientes

1 posta grande (570 g) de salmão
1 limão pequeno
6 dentes de alho picados
1 colher (chá) de hortelã fresca picada
Farinha sem glúten para empanar (ver receita abaixo) – minha substituição
1 pitada de pimenta vermelha
½ colher (chá) de pimenta-do-reino
2 xícaras (chá) de granola sem açúcar
1 colher (sopa) de margarina light para untar
Sal a gosto

Modo de preparo

Descasque o limao e leve a casca ao processador.
Acrescente o alho, a hortelã, o pão, a pimenta vermelha.
Junte ¼ da colher de pimenta-do-reino, a granola e a margarina.
Misture, processe e reserve.
Em uma travessa, tempere o salmão com sal e o restante da pimenta-do-reino.
Besunte os ingredientes processados em todo o salmão.
Deixe pegar gosto por 10 minutos.
Pré-aqueça o forno a 200ºC.
Coloque o salmão assadeira untada e leve ao forno por cerca de 15 minutos.

Farinha para empanar sem glúten

Ingredientes:

1 xícara de castanha de caju sem sal

3 colheres de sopa de amaranto em flocos ou quinua

Modo de fazer:

Coloque todos os ingredientes no processador e bata até virar farinha. Quanto maior a castanha ficar, mais crocante o salmão fica.

Carola Duarte nas redes sociais:

Me siga no Instagram: @blogcaroladuarte
Curtam a Fan Page: /blogcaroladuarte
Se inscreva no canal no Youtube: /blogcaroladuarte
Usem as hastags: #projetosemmedodobiquini #blogcaroladuarte  #dicadacarola

As receitas da culinária árabe da Bela Gil – Bela Cozinha

Uma das culinárias que mais me agrada é a árabe. Meu sogro é especialista e o kibe na grelha dele é de comer rezando. O problema é que comida árabe leva muito glúten e eu evito ao máximo. Por isso resolvi compartilhar com vocês as receitas da culinária árabe da Bela Gil, que são mais saudáveis. Confesso que fiquei com água na boca escrevendo esse post. Já defini o cardápio do final de semana.

Tabule de quinoa: receita da Bela Gil

tabule-de-quinoa-sem-glúten

Ingredientes:
1 xícara de quinoa vermelha
1 xícara de salsinha picada
1 ramo de hortelã
1 tomate picado
1 cebola pequena
Suco de 3 limões
1/3 xícara de azeite
Sal marinho à gosto
Pimenta do reino à gosto

Modo de Preparo:
Cozinhe a quinoa na água e sal por 18 minutos em fogo baixo. Corte a hortelã e a cebola em pequenos pedaços. Numa tigela misturar o restante dos ingredientes. Adicione a quinoa. Misture bem e sirva.

Charuto de folha de uva com cevadinha

receita-de-charuto-com-folha-de-uva

Ingredientes para o charuto de folha de uva:
1 xícara de arroz integral basmati ou cevadinha
1 ½ xícara de água
2 rolos (300gr) de folha de uva
½ maço de salsinha
½ maço de cebolinha
¼ xícara de nozes ou pinole
¼ xícara de uva passa
01 pitada de canela em pó
½ colher de chá de sal
Suco de 01 limão
2 colheres de sopa de azeite de oliva
1 dente de alho picado

Modo de preparo do charuto de folha de uva:
Numa panela media, refogue o arroz no azeite, adicione água, sal e deixe cozinhar por 20 minutos em uma panela tampada. Desenrole as folhas de uva e em outra panela, escalde-as. Pique bem os vegetais, as nozes e o alho. Retire o arroz do fogo, escorra e coloque numa vasilha. Acrescente a salsinha, cebolinha, nozes, canela, sal, uva passa, azeite e limão. Misture bem. Coloque um pouco do recheio de arroz na folha e dobre-a: primeiro passe o talo por cima do arroz na vertical. Em seguida, dobre os lados e enrole o charuto. Forre o fundo de uma panela com algumas folhas de uva. Arrume os charutos dentro da panela. Coloque 1-2 copos de agua, 1 colher de azeite e deixe ferver. Quando ferver abaixe o fogo e deixe cozinhar por 30 minutos. Verifique de vez em quando para a água não secar. Sirva com o molho de menta.

Molho de menta

receita-de-molho-de-menta-comida-árabe

Ingredientes para o molho de menta:

½ xícara de tahine
¼ de xícara de azeite extra virgem
suco de 02 limões
01 xícara de menta (ou hortelã)
½ colher de chá de sal marinho
01 xícara de água purificada

Modo de preparo do molho de menta:
Bater tudo no liquidificador e sirva no prato.

Homus de grão-de-bico

Homus de grão-de-bico

Ingredientes:
1 xícara de grão-de-bico de molho por 6 horas
1 xícara de tahine (pasta de gergelim)
Suco de 1 limão espremido
1 dente de alho pequeno
1 colher de chá de cominho em pó
Sal marinho
1/4 de xícara de azeite de oliva
Água do cozimento do grão
Páprica para enfeitar

Modo de preparo:
Escorra a água do grão-de-bico e em outra água leve ao fogo na panela de pressão. Adicione sal. Quando pegar pressão, abaixe o fogo e cozinhe por 30 minutos. Quando terminar, peneire os grãos e reserve a água de cozimento. Coloque o grão-de-bico em um processador de alimentos e triture bem. Adicione o tahine, suco do limão, cominho e azeite. Continue a bater até obter a textura desejada. Se o homus é muito grosso, adicione um pouco da água de cozimento. Sirva com um pouco de azeite bom e salsinha picada e enfeite com páprica.

Explicações de Bela Gil:

A culinária árabe usa muitos grãos em seus pratos, que são ricos em aminoácidos, responsáveis pela sensação de bem estar. Isso graças ao triptofano, que gera serotanina.
A folha de uva é rica em vitaminas e mineirais e em fibras
O arroz integral tem fibras que o arroz branco não tem. Também é rico em vitaminas do complexo B, necessárias para a funcionalidade geral do organismo
Nozes são as melhores fontes naturais de ômega 3, boa para evitar inflamações no corpo.

10 perguntas que os vegetarianos mais ouvem por Veg Ribeirão

slow-food

Eu tenho admirado cada vez mais a filosofia de vida dos vegetarianos depois que passei a me alimentar 3 vezes na semana no restaurante vegetariano Naturalíssimo. Quem me acompanha no Instagram {@blogcaroladuarte} sabe que eu tenho ficado muito satisfeita me alimentando de verduras e legumes orgânicos e de muita proteína de soja. Alimentação que sacia e que te faz muito bem. Claro que eu ainda estou bemmmm longe de me tornar vegetariana, mas tenho conseguido tirar um pouco do excesso de alimentos de origem animal.

O restaurante vegetariano Naturalíssimo é um dos pontos de distribuição da revista Veg Ribeirão, destinada aos adeptos da alimentação vegetariana e vegana. Como encontro muitos artigos bacanas nessa revista, vou começar a postar aqui para quem não tem oportunidade de ler a revista. A Veg Ribeirão tem site {www.vegribeirao.com} e fan page no Facebook {aqui}.

O primeiro artigo que eu vou trazer para vocês foi escrito na Veg Ribeirão da edição de Julho/Agosto pela bióloga, mestre em Zoologia e ativista da ong Veddas/RP, Jully Iguchi e traz as 10 perguntas que os vegetarianos mais ouvem. Achei muito bacana porque respondeu muitas dúvidas que eu mesma tinha.

Espero que vocês gostem…aliás tudo o que é relacionado a alimentação saudável, ao #projetosemmedodobiquini está na tag BEM ESTAR.

 

1. E as proteínas?

As proteínas são formadas por aminoácidos e existem aminoácidos que nosso corpo produz e outros que só conseguimos por meio dos alimentos, os chamados essenciais. Os aminoácidos essenciais estão presentes nas plantas (e fungos), então conseguimos sintetizar todas as proteínas que nosso corpo precisa com a dieta vegetariana. Boas opções de proteínas são: cogumelos, leguminosas (grãos) e oleaginosas (castanhas e sementes).

2. Mas nem peixe?

Nem peixe. Peixes são animais que, assim como nossos cães e gatos, são sencientes, o que significa que sentem medo, dor, alegria e outras sensações. A base do vegetarianismo é não alimentar-se de animais, por respeito a seres sencientes, então não comemos camarão, ostra, lagosta…e em peixe!

3. Mas a carne é rica em ferro, você não vai ficar anêmico?

A carne é fonte de ferro, mas outros alimentos também o são. É o caso das leguminosas, vegetais verde-escuro e oleaginosas. O consumo desses alimentos, combinado com uma fonte de vitamina C (frutas e sucos frescos), aumenta a absorção do ferro. Além disso, como os vegetarianos não consomem lacticínios, que prejudicam a absorção de ferro, a chance de termos anemia ferropriva é menor.

4. Sem o leite você não vai ficar com os ossos fracos?

Os lacticínios não são a única fonte de cálcio. Os alimentos acima citados, ricos em ferro, também são ricos em cálcio. A absorção desse mineral pelos ossos depende também do potássio e das vitaminas K e D. A vitamina D nós produzimos quando tomamos sol por 15 minutos por dia (em horários de menor índice de raios UV). Já o potássio e a vitamina K são abundantes nos vegetais. Em contrapartida, alguns nutrientes podem ser prejudiciais à absorção do cálcio. É o caso do sódio, fósforo e o elevado consumo de proteínas, que são abundantes em produtos de origem animal. Assim, o consumo de laticínios não garante ossos saudáveis e há indícios de que, em países com elevada ingestão dos mesmos, ocorrem mais casos de osteoporose. Dessa forma, a dieta vegetariana pode beneficiar mais a saúde dos ossos do que uma dieta onívora ou ovo-lacto-vegetariana.

5. E como fará se tiver filhos?

A alimentação de qualquer criança reflete a alimentação de seus pais. Uma dieta planejada e com orientação nutricional, principalmente durante a gestação (com suplementação de ácido fólico, vitamina B12 e ômega 3), é saudável para qualquer pessoa. Assim, tanto para gestantes quanto durante a infância, a dieta vegetariana é adequada.

6. Você não come nada?

Quando ouço essa pergunta, costumo perguntar pra pessoa o que ela come normalmente, nas principais refeições. A resposta, em geral, é essa: arroz, feijão, carne, salada e legumes. Então eu digo: se você tirar a carne (e outros derivados animais), não sobra um monte de coisa ainda? Pois é, a gente come tudo isso.

7. E fora de casa, o que você come?

Alimentar-se fora de casa pode ser um desafio, pois, de forma geral, as pessoas não estão habituadas a pensar em alternativas aos produtos de origem animal. Mas conforme você se familiariza com a dieta, descobre que existem diversos restaurantes vegetarianos ou que oferecem algumas opções no cardápio. Em Ribeirão Preto, a crescente demanda por produtos e serviços para esse tipo de público tem despertado a atenção de lojas e restaurantes {eu, Carola, indico o Mundo Verde Presidente Vargas e o Naturalíssimo}, que tem investido nesse público e facilitado, cada vez mais, a vida social dos vegetarianos.

8. Mas não é anti-natural?

O que é natural realmente? Quanto do que fazemos é natural? Vivemos em casas, usamos a internet, temos energia elétrica, compramos industrializados não fabricamos nossas próprias roupas..E, seu eu quisesse continuar, a lista seria infinita! Além disso, quando falamos em veganismo, falamos em uma ideologia baseada em preceitos morais. E sabemos que a moralidade não é estática, avançamos nela conforme adquirimos conhecimento. Dessa forma deu-se o fim da escravidão, o direito feminino ao voto e os direitos civis. Neste momento ainda temos muito a lutar contra vários tipos de opressões sociais, mas a opressão aos animais não-humanos também exige de nós um posicionamento ético e isso deve estar acima de qualquer justificativa sobre naturalidade ou prazer individual.

9. E a B12?

A B12 é a única vitamina que não pode ser obtida com a alimentação vegetariana. Isso porque é produzida por bactérias, que estão presentes no ambiente. Os animais, de modo geral, comem as bactérias e ingerem a vitamina. A B12 é muito importante para o bom funcionamento do nosso sistema nervoso. É de extrema importância pedir a taxação dela em exames de sangue, pois, apesar de cerca de 50% dos vegetarianos apresentarem deficiência, 40% dos onívoros também estão deficientes. Para obter a B12, devemos suplementar por meio de injeções intramusculares ou via oral (comprimidos ou alimentos enriquecidos).

10. Você não vai ficar doente?

Sim, nós vamos ficar doentes, assim como qualquer pessoa normal. Teremos gripes, resfriados, dores de cabeça e muitos outros problemas comuns. Mas muitas doenças comuns e mortes precoces acometem mais os onívoros do que o vegetarianos.  Os onívoros têm mais chances de desenvolver câncer, diabetes tipo 1, colesterol alto, sofrer um infarto…Além disso, vegetarianos tendem a comer muito mais alimentos ricos em antioxidantes, o que nos faz aparentar sermos mais novos e sermos mais longevos.

Fonte: Revista Veg Ribeirão.

 

Look da Carola: calça azul + blusa preta + jaqueta de couro + maxi brinco

Produção perfeita para um evento bacana. Sabe aquele look que você veste e parece que você nem se preocupou em se produzir. Amo produções assim, despretensiosas e cheias de charme.

7

O look inteiro é da Pop Up Store, uma das minhas lojas preferidas no Shopping Iguatemi. As roupas vestem tão bem que parece que foram costuradas no nosso corpo. E o preço é ótimo perto da qualidade das peças. Sou fã!
6

O maxi brinco só poderia ser da Bia Moraes Acessórios, eu amo os brincos da Bia porque são poderosos e faz toda a diferença nos looks. Esse estou apaixonada!

8 10

O cabelo foi obra do Jhonny Bento…demais, não é?

Fotos: Simone Meirelles